Mota eléctrica - ENERGICA EGO

Local para inserção de notícias ou assuntos diversos (sujeito a aprovação do fórum)

Moderadores: JoseMorgado, pedropcoelho, Rui Viana, MHQC, amandio

Responder
Avatar do Utilizador
JoseMorgado
Direcção BMW McP
Mensagens: 4914
Registado: 23 jan 2008 21:41
Localização: Lisboa
Contacto:

Mota eléctrica - ENERGICA EGO

Mensagem por JoseMorgado » 15 set 2015 22:58

Depois de, no Caramulo Motorfestival, ter tido um primeiro contacto, estáctico, com a ENERGICA EGO e por cortesia do simpatiquíssimo, Sérgio Almeida, dono da ZEVtech, empresa portuguesa de mobilidade eléctrica e importadora deste e de outros modelos de motas eléctricas, já em Lisboa, tive o prazer de fazer um teste drive com esta mota.


Imagem

Esta mota é uma super desportiva que, a nível das performances, concorre com motas como a BMW S1000RR, como podemos ver no vídeo:

https://youtu.be/op6XtozsHZg

Ao nível de filosofia, traz um novo conceito.
Máxima Performance, 0% de Emissões

É construída em Itália, na fábrica da ENERGICA em Modena.
Pertence ao grupo CRP que, com 45 anos de experiência, é muito conhecido pela tecnologia de ponta fornecida à Formula I, às 24H de Le Mans e à indústria aeroespacial, no domínio da maquinação digital de precisão e da impressão 3D digital, com a invenção do processo "Windform".

Nos últimos tempos, a CRP USA tornou-se numa das companhias de referência, a nível mundial, no domínio dos desportos motorizados de alta performance.

Apresentando um design tipicamente italiano, com pormenores que não deixam ninguém indiferente principalmente, quando está parada.

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Também quando arranca, pela rapidez do seu movimento, pela ausência do barulho de escape e pela emissão de um zumbido, pouco habitual na via pública, muitas são as pessoas que viram a cabeça para acompanhar tão inesperado veículo.

É uma mostra de muitas tecnologias inovadoras.

Utiliza um motor eléctrico, de magnetos permanentes, arrefecido a óleo, com 136 CV de potência e uns impressionantes 195 Nm, sempre presentes, desde a rotação 0.

Imagem

As baterias são de "Polímero de Lítio", (Li-Nmc), com capacidade total de 11,7 kw/h e encontram-se dentro de um contentor totalmente selado.

Imagem

A transmissão é feita por corrente.

Imagem

O quadro é em aço tubular, em treliça

Imagem

Com suspensões Marzocchi na dianteira e BITUBO na traseira, ambas totalmente reguláveis, quer em pré-carga, quer em amortecimento, em compressão e distensão.

Imagem

Imagem

O braço oscilante é em alumínio fundido.

Imagem


Os travões são BREMBO, radiais, com duplo disco e 4 pistons em cada um à frente e unitário, com 2 pistons, na traseira.

Imagem

Imagem

Imagem

A travagem é comandada por um sistema ABS BOSCH, de 9ª geração, com o inovador controlo do levantamento da roda traseira.
É a 1ª mota eléctrica, com ABS.

Tem jantes em alumínio fundido de 3,5"X17" à frente e 5,5"X17" atrás.

A velocidade máxima está limitada a 240 km/h e faz dos 0 aos 100km/h, 3 segundos.

Pesa 258 kg.

Com uma carga total das baterias, faz entre 100 a 150 km, dependendo do ritmo imposto.

As baterias demoram 30 minutos, a ir dos 0% aos 85% de carga, com carregador rápido e 3,5 h, para ir dos 0% aos 100% de carga, quando ligadas à rede eléctrica doméstica, utilizando o carregador que se encontra na própria mota.

Imagem

Não tem caixa de velocidades nem embraiagem pelo que a potência é transmita à roda de forma contínua, sendo controlada, apenas, pelo acelerador, ride-by-wire.


Imagem

Imagem

Imagem

Em aceleração, estão disponíveis 4 modos: WET, 120 Nm, ECO, 160 Nm, STANDART, 185 Nm e SPORT, 195 Nm.

Em desaceleração, estão disponíveis 4 modos de regeneração: HIGHT, MEDIUM, LOW e OFF que, em função do incremento do binário de travagem do motor, também aumenta o rendimento regenerativo da carga das baterias.

Todos estes modos são facilmente seleccionados com a actuação nos comandos presentes no punho esquerdo e aparecem bem explícitos no painel TFT, de grande qualidade.

Imagem

Imagem

Está também disponível um modo PARK ASSISTANT, que ajuda nas manobras de parqueamento, em que, para a frente e para trás (marcha atrás), limita o binário disponível aos 50 Nm e a velocidade aos 2,8 km/h. Muito útil, principalmente, a marcha atrás.

O excelente painel TFT apresenta ainda diversas opções de lay-out, onde pode apresentar vários cronómetros para registos de tempos em circuito, gráficos com a apresentação dos picos de consumo de energia e muitas outras informações sobre o desempenho do motor e baterias.

Imagem

Outra tecnologia inovadora é a capacidade de conectividade, via Bluetooth, para distâncias curtas e UMTS, para distâncias longas, com smartphone’s, tablet’s e computadores pessoais, via internet, que assim podem monitorizar tudo o que passa com o funcionamento da mota.

Depois de dar umas voltinhas com ela, onde apanhei um pouco de chuva e por isso utilizei o modo WET, e sol, onde utilizei o modo Sport, posso dizer que fiquei muito positivamente impressionado.

Apesar do seu peso e inércia algo elevados, os 258 kg só se notam quando estamos parados, ou a fazer manobras lentas e mesmo aí, com o modo PARK ASSISTANT-REVERSE, estas são fáceis de realizar.

É uma mota com uma desenvoltura extraordinária, fruto do seu elevado binário, sempre presente, desde a rotação 0.

Não é uma mota que se possa considerar confortável, pois, apesar de todos os comandos estarem muito bem posicionados, os poisa pés terem um grande número de posições possíveis e o banco ser de excelente qualidade, a posição de condução é bastante radical, bem ao estilo de uma super desportiva, estando naturalmente vocacionada para uma utilização, a ritmos muito elevados, que aproveite as potencialidades da excelente ciclística, suspensão e travagem, mas por pouco tempo.

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

No entanto, a “brutalidade” do seu motor, linear e constante e a ausência de vibrações, dão um gozo tal que, qualquer desconforto, é rapidamente esquecido.

A ausência de caixa de velocidades, embraiagem ou quik shift, fazem com que a força da aceleração, desde o momento do arranque, até ao máximo que a centralina permite, os 240 km/h, seja sempre tão constante, que torna esta mota, apesar de brutal, muito suave de conduzir.

Em condução mais empenhada, podemos concentrar-nos exclusivamente nas trajectórias e no controlo do acelerador e travagem, ficando assim libertos para apreciar e aproveitar, totalmente, as capacidades desta mota.

Deixa assim de ser necessário preocupar-mo-nos com mudanças de velocidade engrenada, reduções de caixa, bloqueio da roda traseira à entrada da curva, etc., etc.

Também o ruído que produz, que mais se pode chamar um zumbido, é muito viciante, ajudando à “festa” do “passeio”.

Uma das características importantes da EGO, é que não nos deixa andar nesta excitação durante muito tempo, o que podia tornar-se “perigoso”, pois a sua autonomia é curta.

Assim temos, com frequência, de parar junto de um carregador, de preferência rápido, para repor o nível de energia nas baterias e acalmar um pouco os nossos ânimos.

Imagem

Imagem

Em Portugal, por enquanto, o difícil é encontra-los, pois ainda são muito escassos.

Imagem

Em contrapartida, quando encontramos um, podemos abastecer a custo zero. Ou seja, andamos à borla!!

Imagem

Atenuamos assim, o custo elevado da mota, 35.000 €.

Para quem gosta de, motas super-desportivas, fazer percursos curtos, mas muito rápidos, ter na garagem uma mota inovadora e com emissões “0” e, para além disso, tem disponibilidade para despender 35.000 €, a ENERGICA EGO é uma opção a considerar seriamente.

Não só pelas suas performances e qualidades intrínsecas, mas também pela filosofia e conceito de propulsão inovadores que apresenta, torna-a numa mota quase única no segmento das desportivas.

No meio disto tudo, podemos ainda pensar na defesa do ambiente, na utilização de energias renováveis e na satisfação de nos "deslocarmos" num veículo, com emissões zero para a atmosfera.


No final, só descobri um pormenor que podia ser melhorado. A tomada de corrente devia estar colocada num local que não obrigasse a deixar o banco levantado quando as baterias estão a carregar. Apesar de a ficha de alimentação se encontrar trancada na tomada, quando está a fornecer energia, não permitindo o seu desligamento, o banco levantado é um chamariz a que curiosos, e não só, sejam tentados a mexer no mesmo

Imagem

Imagem
José Morgado
Sócio 237

R65 78
R100R 92
R1100RS 94
R1200RT 07
R90S 74
Imagem

Responder

Quem está ligado:

Utilizadores neste fórum: Nenhum utilizador registado e 2 visitantes